Sem dar branco

Sem dar branco

Não precisa se encher de anotações para evitar esquecimentos!

Imagine a seguinte situação: você está em uma reunião, conversa com clientes, dando uma palestra… Enfim, tendo que fazer algum tipo de apresentação. De repente, dá aquele branco. Por mais que você tenha preparado um poderoso discurso, é como se ele fugisse da sua mente. E agora? O que você faz?

Calma, não precisa – nem deve! – se desesperar. Todo mundo está sujeito a isso. É normal esquecer alguma coisa. Mas dependendo do que for pode passar uma imagem negativa e, para surpreender positivamente, é sempre bom evitar essas gafes. Por isso, fique por dentro de alguns truques que vão ajudar a manter sua memória afiada e bem protegida contra esses esquecimentos repentinos.

Recue um pouco. Explicou os pontos A e B, mas não lembra qual é o C? Volte aos dois primeiros e ressalte a importância deles, aborde-os de outra forma. Isso vai lhe dar mais tempo para lembrar do próximo. Também vale, enquanto estiver ensaiando seu discurso, fazê-lo de formas diferentes, com diversas abordagens. Isso abrirá mais caminhos para que você se lembre de tudo, de um jeito ou de outro.

Não tenha medo de lançar perguntas retóricas. Elas transmitem mais confiança no seu discurso e ainda te dão mais tempo de desenvolver seu raciocínio ou mesmo propôr um momento de reflexão.

Tenha seu propósito geral sempre em mente e reafirme-o quantas vezes for necessário. Primeiro porque ajuda a fixar a ideia que você quer passar e segundo que, tendo essa visão mais ampla do que você está apresentando, é mais fácil se lembrar de pontos específicos.

E você? Tem alguma dica para não dar branco? Conte para a gente!

Esgotamento? Evite!

Esgotamento? Evite!

Conheça três tipos de esgotamento e saiba como manter distância deles.

É comum associarmos o esgotamento a horas contínuas de trabalho e esforço sob pressão e estresse. Então a solução para não se sentir esgotado é parar de trabalhar? Isso não é viável e há soluções melhores. Antes de encontrar a melhor forma para resolver essa questão, entretanto, é preciso identificar o tipo de esgotamento que você está sentindo. Assim será mais fácil construir uma rotina que seja saudável para você.

Sobrecarga: esse é o tipo de esgotamento que acontece quando você trabalha incessantemente, até chegar à exaustão e desgaste emocional.

Mal desenvolvimento: pode ser um acúmulo da sobrecarga, quando você se sente refém das mesmas tarefas e não encontra espaço para desenvolver novos talentos e habilidades para crescer na carreira. Isso pode resultar no próximo tipo de esgotamento…

Negligência: perdida a capacidade de encontrar prazer naquilo que se faz, você não tem mais o mesmo empenho e satisfação para realizar seu trabalho. Isso pode deixar você negligente, o que faz com que suas tarefas se acumulem ainda mais e te prendam em um ciclo vicioso.

Esses três tipos de esgotamento podem se configurar como estágios, um levando ao outro e se transformando em uma bola de neve. Mas afinal, como escapar desse pesadelo? A primeira parte é conhecer seus limites. O autoconhecimento permite que você tenha claras as funções que pode executar, os prazos que pode cumprir e mesmo qualidade e quantidade de resultados a serem entregues. Tendo isso bem claro, vem um fator fundamental, mas que poucas pessoas praticam: ser verdadeiro com seus colegas, superiores e subordinados. Se eles também conhecerem tão bem quanto você seus talentos e limites, vão designar a medida certa de tarefas. Desafios podem e vão surgir aqui e ali, mas uma vez que você saiba o que é capaz de realizar e também quando é hora de pedir ajuda, enfrentá-los não será nenhum bicho de sete cabeças.

Uma boa forma de se conhecer bem é participar de um programa de coaching. Conheça o cardápio de serviços da Salada Corporativa e encontre o pacote certo para você!

De bloco em bloco

De bloco em bloco

Quer ir em vários blocos? Descubra como conciliar seu tempo entre um e outro!

Vai aproveitar o carnaval para pular nos blocos de rua, mas está tendo dificuldades para escolher quais seguir? Não precisa ficar triste. Com um pequeno planejamento você pode encaixar na agenda vários blocos diferentes para cair na folia.

Tenha em mente quais são os blocos que você mais quer ir. Confira as datas, horas e locais de concentração e desfile. Hoje em dia boa parte dos blocos usam perfis nas redes sociais para divulgar essas informações.

Já está com esses dados? Então agora é fácil: organize-os por data e hora. Dois ou mais blocos são no mesmo dia e horário? Não precisa se preocupar também. Blocos costumam durar horas. Você pode começar em um e de lá partir para outro. O importante é se divertir.

Da mesma forma que você pode organizar sua agenda para pular o carnaval, dá para conciliar diversas atividades no seu dia a dia. Otimize seu tempo para se divertir como nunca nesse carnaval e, de quebra, dar aquele impulso no seu cotidiano.

A equipe da Salada Corporativa deseja a você um carnaval cheio de alegria! E aí, já escolheu a sua fantasia?

Sob pressão, mas sem perder a criatividade

Sob pressão, mas sem perder a criatividade

É possível se manter criativo mesmo estando sob pressão. Saiba como!

Quando falamos em criatividade, é normal imaginarmos um escritor, pintor, músico… Alguém que viva da arte e, em um súbito momento de inspiração, produz uma obra digna de ser reconhecida e celebrada. Ainda que tenhamos essa imagem, na vida real não é bem assim. Primeiro porque a criatividade é importante para qualquer empresa ou profissional crescer e se destacar. Segundo porque mesmo que no mundo das artes há pressão. Ou você acha que um escritor não tem uma agenda a cumprir com a editora e até seus leitores? Não dá para ficar sentado esperando uma luz cair do céu.

Todo trabalho, por mais flexível que seja, tem prazos a serem cumpridos. Resultados a serem atingidos. Toda essa pressão pode prejudicar a criatividade e fazer você cair em um ciclo de improdutividade e insatisfação. Mas existem algumas coisas que você pode fazer para manter a criatividade – e, consequentemente, a produtividade – mesmo correndo contra o tempo e com metas para bater. São pequenas atitudes que, incorporadas ao dia a dia, podem fazer toda a diferença.

Tomar uma xícara de café no trabalho pode estimular o cérebro. Isso faz bem para a criatividade. Da mesma forma, a música – seja com fone ou ambiente – pode ajudar você a gerar um fluxo de pensamentos de onde pode surgir a inspiração que faltava. Dar uma olhada nas redes sociais para ver o que seus amigos estão falando também pode ser uma fonte de ideias. Assistir a um trailer de filme, ler notícias relacionadas ao projeto que você está trabalhando… Faça uso dessas artimanhas para aumentar a sua criatividade.

Vá para outro lugar. Se você está esperando a inspiração aparecer enquanto fica sentado usando o computador, vai continuar aí esperando. A inspiração aparece onde menos esperamos. Saia para dar uma volta, vá à padaria da esquina comer um pão de queijo, dê uma volta no parque ou mesmo faça um brainstorming em algum lugar diferente, como o terraço do prédio. Novos cenários estimulam novas ideias.

Divida seu tempo. Não adianta nada você ficar o dia inteiro focado em um projeto se não estiver com a inspiração necessária para fazê-lo acontecer. Trabalhe por algum período, pare por outro e faça outra coisa completamente diferente. Organize uma escala.

Use e abuse das novas tecnologias. Tecnologias e habilidades diferentes ativam fazem o cérebro funcionar diferente. Isso pode acender uma luz que vai inspirar você. Fazer as coisas de formas diferentes é uma excelente estratégia para dar um up na sua criatividade.

Trabalhe em equipe. Ser criativo em grupo é muito mais fácil que sozinho. Busque ser confrontado, provocado, com ideias novas, diferentes, que você provavelmente não pensaria por si próprio. Sabe aquele ditado que diz que duas cabeças pensam melhor que uma? Ele não surgiu do nada. E quando se trata de criatividade, quanto mais cabeças pensando, melhor.

E você? Tem algum conselho para aumentar a criatividade mesmo sob pressão? Conte para a gente!

Seu humor impacta os resultados

Seu humor impacta os resultados

Salada Corporativa adverte: trabalhar de bom humor faz bem à carreira!

Você sabia que a intensidade e a natureza das suas emoções podem exercer grande influência no seu trabalho? Seus sentimentos deixam rastros que alteram o seu humor e ele é justamente um dos fatores mais importantes, ainda que pouco reconhecido, para a sua produtividade e qualidade.

Imagine um líder que está ansioso, mesmo que por algum motivo que nada tenha a ver com o trabalho. Isso fará com que ele execute mais rapidamente suas tarefas e encoraje seus seguidores a fazerem o mesmo. Se você está se sentindo otimista e relaxado, por exemplo, provavelmente vai ignorar alguns riscos e perigos que deveriam receber alguma atenção. Já uma situação de raiva pode fazer um profissional se lembrar de problemas urgentes e focar sua energia para resolvê-los.

O seu clima afeta o trabalho, seja ele bom ou ruim. Se você está de bom humor, vai trabalhar com mais confiança, lembrando das coisas boas de se fazer o que faz, focando em resultados positivos e conquistando vitórias com mais determinação. Se estiver para baixo, vai focar no lado ruim do que faz, nas dificuldades, nos problemas, nas memórias negativas e vai acabar se envolvendo em um pessimismo bastante prejudicial. Isso acontece porque suas emoções tendem a se intensificar e isso é diretamente refletido na sua vida profissional.

Hormônios liberados em situações de estresse – e que apenas aumentam a tensão – levam horas para serem absorvidos novamente pelo organismo e eventualmente evanescerem. Em vez disso, procure sentir coisas boas, encher seu corpo de hormônios que causem satisfação. Como? Respire fundo, tente se rodear de pessoas alegres, divida suas tarefas em afazeres menores e mais fáceis, simplifique sua vida.

Faça mais coisas que te deixem de bom humor. Sua carreira vai agradecer.

*Livremente Inspirado no texto “How Moods Impact Results”, de Daniel Goleman.

Uma injeção de confiança

Uma injeção de confiança

Saiba algumas coisas que você pode fazer para aumentar sua confiança!

Sabe aquele nervosismo que você sente antes de uma apresentação importante, uma reunião com um grande cliente ou mesmo na hora de encontrar soluções sob pressão? Nessas horas o que você mais precisa é tomar uma rápida injeção de confiança. Mas como? Ainda que a confiança seja uma característica que venha com o tempo, resultante de sucesso constante, existem algumas coisas que você pode fazer para deixar de lado a insegurança e encarar seus desafios com mais firmeza.

Queime seu estresse junto com as calorias. Em situações estressantes, que deixam você ansioso, seu organismo libera cortisol, um hormônio que aumenta suas emoções e limita a criatividade, fazendo você se sentir com medo, acuado. Sabe como se livrar dessa substância? Com exercícios. Um passeio na hora do almoço já vai te ajudar a ficar mais calmo.

Falando em exercícios, se alimentar bem também é importante. Além de fazer bem para o seu corpo, comer direito pode ajudar você a manter níveis saudáveis de dopamina e adrenalina, que ajudam a regular o seu estado mental de alerta. Elas são encontradas em proteínas, então procure incluir mais carnes, por exemplo, na sua dieta. E respeite seus horários de alimentação! Se você deixar para comer em cima da hora, logo antes de um momento decisivo e estressante, dificilmente se alimentará de forma saudável.

Prepare-se para o pior. Pois é, ler isso não é muito animador, mas pode acreditar: se você já tiver planejado o que fazer caso seu tempo não seja suficiente, a apresentação sofra algum problema técnico, alguém interrompa toda hora ou qualquer outro problema, se sentirá muito mais calmo, pois já estará pronto para lidar com isso e, assim, não ficará com medo do que pode acontecer.

Objetos da sorte? Que nada! Pense em momentos de sorte. Em vez de se preocupar em usar aquela meia que sempre te ajudou misticamente, mantenha seu foco em repetir ações que já lhe ajudaram a ter êxito antes.

Tenha um objetivo secundário. Se a sua meta é muito difícil de alcançar e você sabe que as chances de sair de mãos abanando são altas, procure ter coisas mais fáceis de se conquistar na mesma situação. Seja plantar a semente do networking em um grupo de difícil acesso, seja conhecer as formas de trabalho de outras pessoas, encontre uma forma de transformar o fracasso em sucesso.

E você? Tem mais dicas para estimular a confiança?

Como perder sua credibilidade

Como perder sua credibilidade

Tem coisas que é melhor evitar, pelo bem da sua credibilidade…

Você já deve ter visto por aí várias dicas para aumentar a sua credibilidade, mas está por dentro das coisas que você faz que acabam com ela? Há certas atitudes que é melhor evitar. Passamos anos aprendendo que leva muito tempo para construir uma reputação, mas segundos para destruí-la. Atente-se a isso e confira coisas que você não vai querer fazer, pelo bem da sua credibilidade.

Desrespeitar o tempo dos outros. Sabe quando dizem que tempo é dinheiro? Tempo é uma moeda poderosíssima no que se trata de relações pessoais e profissionais. Portanto se alguém está lhe cedendo seu tempo, faça bom uso dele, não se atrase, não abuse.

Falta de atenção é pecado. Não prestar atenção em uma pessoa enquanto ela fala com você é uma clara demonstração de que você não a valoriza e, sendo assim, por que ela haveria de valorizar você?

Quem não age não tem crédito. Se você está envolvido em um projeto e deixa a equipe fazer tudo sozinha, ou sempre fala de seus objetivos, mas nunca move um dedo para conquista-los… Bom, vão começar a te enxergar como uma pessoa preguiçosa e improdutiva. Ponha a mão na massa!

Tirania não funciona. Nem pense em cobrar as pessoas a cada cinco minutos e esbravejar se alguém comete algum erro – até porque se um erro foi cometido, é porque alguém tentou fazer certo enquanto você provavelmente nem se mexeu sequer para dar orientações. Mantenha a equipe responsável, não sob a ameaça do chicote.

Você faz promessas e acordos que não pode cumprir? Isso vai acabar te transformando em uma piada. Ninguém mais vai acreditar em você. Aja de acordo com aquilo que prega.

Dar desculpas é um atalho para o descrédito. Esqueceu do compromisso? Seu cachorro comeu o relatório? Está quase pronto, mas você não trouxe? Ih… Ninguém cai nessas, ok? Assuma a responsabilidade pelos erros que cometeu e repare-os.

Não dar apoio é outro tropeço grande. Demonstre interesse nas ideias e metas alheias e mostre como pode contribuir, caso contrário, dificilmente contarão com você para algo e, consequentemente, não vão se prestar a te ajudar.

Querer atrair todos os holofotes o tempo todo também é péssimo. Em vez de exaltar suas conquistas e habilidades, vai fazer você parecer uma pessoa chata e carente por atenção.

Recusar críticas e sugestões é colocar a corda no pescoço. Aprenda a ouvir o que as outras pessoas têm a dizer sobre você e como melhorar no seu trabalho, nas relações interpessoais e o que quer que estejam lhe dizendo.

Você conhece mais atitudes que podem afundar a sua credibilidade? Conte para a gente!

A centralização de mentes e corações

Marcelo Adriano SilvaMarcelo Adriano é Gaúcho e sua paixão por discutir as idiossincrasias do ambiente corporativo só perde pelo amor que sente pela dupla “As &las”, suas filhas Manoela & Gabriela.
É consultor de diversas organizações orientadas para o desenvolvimento empresarial, como ABDISEBRAEAPEX, atuando em estratégia, projetos e gestão. É Administrador de Empresas pela PUC-RS, Mestre em Administração pela UFRGS e com cursos de aperfeiçoamento no Japan Procutivity CenterÉcole des Hautes Études Commerciales de Paris e Comissão Econômica para América Latina e o Caribe.

O culto às personalidades corporativas iniciado nos primórdios do Século XX, com a emergência dos grandes magnatas empresariais, que se estendendo até o presente na figura dos grandes “gurus” da era da informação, tem revelado uma característica frequentemente comum a estes empreendedores: uma forte dose de comportamento centralizador.

Tendo o cuidado de analisar essa afirmativa à luz dos diferentes contextos organizacionais, percebe-se que, mesmo nos empreendimentos maiores, onde a hierarquia tem o objetivo de permitir um determinado nível de autonomia às partes, com frequência feudos se criam, em decorrência da ânsia dos gestores em dispor de controles sobre o seu ambiente de influência.

Agora, as hierarquias lineares nas organizações se veem desafiadas (ou ameaçadas ?!) frente ao comportamento menos suscetível aos formalismos corporativos característico das novas gerações de profissionais.

Se por um lado o ditado “pato novo não mergulha fundo”  pode ser adequado à definição da relação inversamente proporcional entre abrangência e profundidade do conhecimento dos jovens, é óbvio que essa característica também lhes impulsiona à alçar vôos mais freqüentes e diversificados, tornando os vínculos profissionais mais tênues.

Esse aspecto se mostra evidente na carência de oferta de mão-de-obra em setores tradicionais da atividade econômica, onde esta ainda continua sendo mais necessária do que a “cabeça-de-obra”.

Pode-se afirmar com razoável grau de certeza que a avidez por liberdade dos jovens profissionais é um fator tão determinante à sua motivação como o é a perspectiva de aprendizado e desenvolvimento pessoal. Isso coloca os líderes diante de uma “crise existencial”, na medida em que as características positivas do empreendedor caminham pari passu com um forte apego a suas convicções.

Dessa forma, o líder do presente, tanto quanto um educador e motivador, vai cada vez mais ter de agir de forma ecumênica, direcionando os esforços dos colaboradores não como fidelidade a um dogma, mas sim como um sincretismo de crenças individuais.

Para ter mais energia

Para ter mais energia

Confira dicas para ter mais energia em seu dia a dia!

Que tal começar a semana com muita energia? Existem alguns hábitos que podemos incorporar em nosso dia a dia para trabalhar com aquele gás e até produzir mais. Vamos adotar esses comportamentos e garantir bastante disposição para o trabalho?

Priorize. Ter uma lista de prioridades faz com que você tome decisões de forma mais acertada e não se desgaste com tarefas que não são tão importantes assim.

Amizade com colegas. Se você virar amigo dos seus colegas de trabalho, os dias serão muito mais agradáveis e ficar na empresa passará longe de ser maçante.

Coma bem. A alimentação é fundamental para ter energia. Invista em alimentos com proteínas (carnes, ovos…) e evite aqueles mais gordurosos.

Nada de forçar a vista! Olhar tempo demais para o computador, ler no escuro… Tudo isso faz mal e cansa. Dê um descanso para seus olhos. Dê uma olhada pela janela, tire o foco das tarefas por cinco minutos. Sua visão agradecerá.

Mexa-se. O sedentarismo não leva ninguém a lugar nenhum. Procure se exercitar mais. Se não tem tempo para isso, descer do ônibus um ponto antes ou deixar o carro mais longe e fazer uma pequena caminhada até o trabalho já ajuda.

Descanse. Se você conseguir ficar meia hora que seja sentado num sofá confortável, de repente até tirar um cochilo, seu dia será muito melhor.

Evite tensões no fim de semana. Se o seu sábado e domingo forem complicados e estressantes, você dificilmente estará bem durante a semana. Busque ficar tranquilo.

Lembre-se que você não é um robô. Conheça seus limites e respeite-os. Você é um organismo vivo e precisa ter isso sempre em mente. Com essa consciência e auto respeito, você terá muito mais energia.

As piores coisas para dizer a um colaborador

As piores coisas para dizer a um colaborador

Por mais que a intenção seja boa, tem coisas que é melhor não falar.

Se você imaginou frases como “pegue suas coisas e fale com o RH” ou “seu trabalho está uma porcaria”, errou. As piores coisas que um chefe pode dizer a seus subordinados passam bem longe desses extremos, muitas vezes têm intenções positivas e estão presentes no dia a dia das empresas.

Vamos dar uma olhada nas piores coisas que um chefe pode dizer?

A primeira é fazer promessas vazias. Aquelas que são feitas da boca para fora, mas nunca serão cumpridas. Elas geralmente são fruto da vontade de motivar os funcionários, mas acabam se tornando mentiras e tendo efeito contrário: a desmotivação toma conta do ambiente. O não cumprimento de um acordo reflete negativamente na imagem de uma pessoa. Você gostaria de trabalhar para alguém que não cumpre o que diz? Pois é…

Outro erro bastante comum é dizer que a opinião do funcionário não tem valor. Mesmo que não se diga diretamente isso, falar coisas que remetam a essa interpretação ou agir dessa forma é um jeito de demonstrar falta de respeito e admiração, o que vai deixar o colaborador desmotivado e pode até fazer com que ele busque outras oportunidades. Afinal, por que alguém trabalharia para uma pessoa que não valoriza suas ideias?

Usar a palavra “muito” pode ser uma armadilha das grandes. Um chefe pode gostar de um funcionário que aja de forma bastante técnica, mas falar algo como “você é muito técnico” pode, em vez de soar como elogio, parecer uma crítica. Isso pode levar a pessoa a mudar sua abordagem no trabalho e, em alguns casos, até prejudicar seu desempenho.

Frases mal elaboradas também são um risco e tanto. Imagine que a empresa busca a inclusão social e o tratamento igualitário para todos e um dos gestores solta uma bomba como “aqui tem espaço para todo mundo, até para cadeirantes”. Por mais que a intenção seja nobre, a mensagem passada acaba tendo efeito contrário e, em vez de incluir, segrega. Pega mal, não é?

Falar coisas positivas seguidas de “mas” também é um perigo. Mesmo que a mensagem negativa que venha depois do “mas” seja pequena e quase insignificante perto dos elogios, é ela que fica na cabeça de quem ouviu. Busque formas de evitar isso, como dizer “você é competente, se desse um jeito nessa timidez chegaria ao sucesso rapidinho”.

E você? Tem alguma coisa que considere péssima para ser dita por alguém em uma posição de liderança? Conte para a gente!

TV Salada

No items
whatsapp for pc free xbox live codes free psn codes horoskopi ditor elliptical machine igrice